Arquivo da tag: mulher moderna

Sobre a beleza

Todas nós , Ginjas por natureza, somos belas. Nascemos meninas lindas, crescemos e nos tornamos adolescentes rebeldes, com nossas longas e brilhantes cabeleiras, que adoramos balançar para os meninos. Um dia nos tornamos mulheres, lindas e sedutoras. E um dia começamos e envelhecer.

A pele começa a perder o brilho e a firmeza. A barriga cresce, as pernas incham, os cabelos brancos aparecem. O brilho se perde.

Mas deixamos de ser sedutoras e belas?

Não. Pois depois que chegamos a uma determinada idade, descobrimos que nosso poder de sedução, a nossa beleza, não está na pele ou nos cabelos, mas em nossa forma de ser.

A beleza externa é efêmera. Mas a classe, a cultura, a educação e a elegância, são eternas.

 

Anúncios

Hoje é dia das Crianças.

Como hoje é dia das crianças , resolvi discorrer sobre um assunto bastante polêmico, ao qual não podemos fechar os olhos e temos que falar a respeito. Sobre a influencia que os adultos exercem sobre os pimpolhos e as sequelas que más influencias podem trazer à elas em um futuro próximo.

O caso que aconteceu da exposição com o peladão e a menininha é apenas a ponta de um iceberg gigantesco do que as nossas crianças vivenciam hoje. Somente no futuro saberemos o quão lesivo isso foi para elas .

Primeiro temos que repensar sobre a forma como estamos criando nossos filhos. Excessos em tudo, desde a liberdade dada até a realização de todos seus desejos para que ” não se frustem”. Isso está formando uma geração de crianças mimadas, mal educadas e que não suportam frustrações na vida, acreditando que realmente basta chorar ou fazer cara feia que a vida lhes dará o que pediu, e o que é pior, se tornando pouco produtivas quando adultas, sem inciativa. A vida nos diz muitos nãos, é necessário que aprendamos desde cedo que isso não irá nos impedir de realizar nossos sonhos e sirva mesmo como um estimulo à luta pela sobrevivência.

Castigos são tão necessários quanto carinhos e afagos.  A criança tem que saber que existem limites, e eles são definidos pelos pais. Elas tem que aprender a respeita-los, pois apenas assim serão adultos que respeitam os mais velhos e saberão amar e retribuir o amor à elas dedicado. Quando são mal criadas, fazem birra ou desobedecem, devem ser colocadas de castigo, ter seu celular confiscado, a boneca negada e não paparicadas, pois somente assim aprenderão os seus limites, por mais que isso deixe você com dó dela.

Como dizia Renato Russo, disciplina é liberdade. Para que  tenhamos nossa independência emocional e financeira , precisamos da disciplina. A criança deve aprender a suportar a dor do “não ter”, do não conseguir, do não conquistar, e aprender principalmente a lidar de forma positiva com esses sentimentos, pois isso apenas a ajudará no futuro à progredir e a amar da forma correta, sem se deixar levar pela ansiedade e medo.

A criança aprende com o exemplo. Se você dá um bom exemplo, se sua casa é calma , tranquila, sem brigas e discussões, se as pessoas interagem respeitando-se entre si, ela aprenderá a respeitar os outros. Nunca brigue ou xingue na frente de uma criança, pois você ficará surpreso ao perceber que ela fará o mesmo com você. Você é seu maior exemplo, ela tentará ser o que você é e faz.

A família tem papel primordial na educação. Hoje em dia, cada vez mais, tem-se tentado passar para as escolas a responsabilidade da educação. Não se engane, ela é sua, da família da criança. À escola cabe apenas ensinar, preparando-a para o futuro, a raciocinar logicamente, à ter cultura e conhecimento. Mas isso não basta. Em casa é preciso estimular a criança a ler e quanto mais cedo melhor. Exercitar sua mente com livros, jogos educativos, despertar sua criatividade com pinturas, exercitar sua capacidade de visão com quebra-cabeças, enfim, prepara-la para ser um adulto inteligente, culto e com desejo de conhecimento, cabe à família. E fique atento, as escolas hoje em dia estão fugindo de seu papel de educadores em prol de ideologias politicas e culturais, que podem não ser o que você deseja para ela !  Não deixe de verificar o que a escola esta ensinando ao seu filho, suas lições de casa, seus livros educacionais, o que foi dito em sala e se não concordar, abra a boca ! Afinal , não temos que ser politicamente corretas em relação aos nossos filhos, certo ? O segredo da liberdade é a eterna vigilância.

Não se deve estimular a sexualidade da criança precocemente. Tudo tem sua hora e sua vez. Mostrar fotos de mulheres nuas para meninos pequenos ou sensualizar meninas, pode ter efeito devastador sobre sua personalidade futura e sua sexualidade. Expor crianças a situações como a tal menina com o peladão é extremamente grave ao desenvolvimento de sua personalidade, correndo-se o risco de lhe provocar neuroses, depressões, sentimentos de culpa, entre outras doenças psiquiátricas. Elas devem ser poupadas dessas situações até que tenham a maturidade de um adulto para separar as coisas, independentemente se você acredita que aquilo é ou não arte. Eu pessoalmente acho vulgar, feio e vazio.

Acredito que com a educação vinda da família, você estará dando aos seus filhos o melhor dos presentes no Dia das Crianças, o seu futuro.

Você usa adoçantes ?

Se você é vaidosa, cuida de seu corpo, quer ficar magra, ou simplesmente por modismo, provavelmente você usa adoçantes em seus cafés, sucos e toma apenas refrigerante diet. Tudo isso porque acha que assim está economizando em calorias e assim não vai engordar. Acertei?
Pois você precisa parar com isso agora, ou pelo menos repensar no que está fazendo.

Ha 15 anos eu fiz um exame de glicemia e não dei muito importância ao fato de ter tido 102 de resultado. Eu usava, assim como muitas, adoçante em tudo, apesar de não ser diabética. Como o nível normal vai até 100, fiquei tranquila.

Após uns anos, fiz novamente o exame, e o resultado foi novamente dentro dessa faixa, 103.

Ha 2 anos, fui submetida a uma cirurgia e o resultado pré operatório foi 104. Como fiquei 24 horas em jejum, antes da cirurgia estava me sentindo mal e pensei: devo esta com a glicemia muito baixa, uns 60 , pela tontura que sinto. A glicemia foi medida e …estava 104. Aí passei a me preocupar e me aprofundar no assunto, pois isso não é normal. Isso significa que estou em um estado pré diabético.

Após começar a entender mais do assunto, abandonei os adoçantes de vez. Nunca mais tomei uma coca diet ( tomava diariamente) e passei a tomar sucos naturais sem açúcar, comer mais frutas e usar açúcar demerara ou mel para adoçar.

Resultado seis meses depois? Glicemia de 84, 74 , 86. Nunca mais senti tanto sono depois do almoço e minha disposição aumentou.

A verdade é que adoçantes não foram criados para quem não é definitivamente , diabético. Os altos níveis de consumo de adoçantes artificiais podem predispor as pessoas normais a desenvolverem o diabetes tipo II, segundo o pesquisador Dr. Richard Young, médico da Adelaide Medical School, na University of Adelaide, Austrália.

Seus estudos foram apresentados na reunião anual de 2017 da European Association for the Study of Diabetes (EASD) 2017 e foram, pela primeira vez, realizados em humanos.

Segundo o Dr Young, “Duas semanas de complementação com edulcorantes artificiais na dieta aumenta a absorção da glicose, a resposta glicêmica à glicose, e diminui a resposta do GLP-1”  “Isso significa que, de acordo com os resultados deste ensaio clínico (…) os adoçantes artificiais podem limitar o acesso da glicose às porções mais distais do intestino, e diminuir a exposição da glicose às células distais que liberam o GLP-1”.

Os achados destacam “o potencial dessas respostas nos consumidores habituais de adoçantes artificiais e embasam o conceito de que os adoçantes artificiais podem reduzir o controle corporal dos níveis de açúcar no sangue, exacerbando os níveis pós-prandiais da glicose, o que poderia predispor ao diabetes tipo 2”.

O que isso quer dizer? Que os adoçantes acabam provocando um desiquilíbrio no controle natural da glicemia em seu sangue e seu nível  passa a ser maior que o normal , o que geraria uma predisposição ao desenvolvimento do Diabetes tipo II.

É para repensar ou não o seu uso?

(Segundo o Dr Youg, novos estudos devem ser feitos para comprovação dos seus resultados, pois existem outros estudos contrários aos seus, que afirmam que os adoçantes não fazem mal à saúde).
Fonte: http://portugues.medscape.com/verartigo/6501619#vp_1

 

Afinal, porque nós gostamos de nos arrumar?

Ola minhas queridas amigas Ginjas!

Hoje pela manhã eu estava pensando sobre o que escreveria hoje, enquanto mostrava para umas amigas umas bijuterias finas que estou revendendo ( Ah ! esqueci de falar, estou montando um loja on line de coisas que mulheres amam, mas ainda não está pronta, então ainda é segredo ! Logo logo eu coloco no ar e mostro para vocês !) .

Então, como eu dizia, estava pensando sobre o que escreveria, quando me veio à mente a seguinte pergunta:

– Porque as mulheres gostam tanto de se arrumar ?
Vocês já perceberam que quando estamos para sair de casa para a balada ou para o trabalho, somos tão criticas com nós mesmas que podemos trocar de roupas dezenas de vezes, até colocarmos aquela que parece que nos deixa mais magras? Trocamos o brinco, o colar e os sapatos até que fiquem perfeitamente harmônicos com a roupa que colocamos. E os cabelos tem que estar perfeitamente alinhados , soltinhos, suaves e perfumados. E se a franja não ficou perfeita ? Ou a maquiagem ficou ” estranha” ? Surge aquela sensação de reprovação, de quem vai ser malhada na rua até a morte, não é ?

Isso é uma insanidade! Mas fazemos isso diariamente…

Alguma critica feroz do tipo peluda,  poderia me dizer: – Você é tonta, fica se arrumando para os homens, liberte-se disso !

Mas quem é que disse que nos arrumamos para os homens?
Hoje, após mais de 10 anos casada, sem a menor necessidade de atrair qualquer homem, eu me arrumo exatamente como quando eu tinha 20 anos, quando REALMENTE  era esse o motivo. Hoje me basta ser admirada e desejada por eles. Mas nada além disso. ( adoro quando olham …)  E querem saber ? Eles não dão a minima para o que vestimos, na verdade eles prefeririam que fosse nada mesmo.

Hoje a maturidade me trouxe algo mais que especial, me trouxe a autoestima elevada, a calma, a capacidade de perceber que me arrumo para mim mesma e…para outras mulheres ! Sim, simplesmente por que nós , mulheres, julgamos demais as outras mulheres!

Quantas e quantas vezes você olhou para uma mulher na rua e pensou: nossa, ela esta linda, queria ter o corpo dela, queria ter o cabelo dela…ou então algo como : nossa, que vestido lindo! E olha só a maquiagem ! Nós invejamos as belas.

E quantas e quantas vezes você olhou para uma mulher feia , desleixada, que não se cuida, e pensou: nossa, que trubufú ! Se encontrar na porta do cemitério a noite saio correndo ! Eita pedaço do inferno na terra ! Porque não arruma esse cabelo? Ou faz uma dieta? Compra uma roupa decente, uns acessórios, faz uma maquiagem, que horror ! Tem mulher que nasce feia feito o diabo !

Eu não sei se esse é o nosso maior defeito ou nossa pior qualidade. Mas a conclusão a que cheguei é que nós mulheres, podemos ser muito criticas e até mesmo maldosas, com nossos comentários. E é por isso que queremos sair de casa lindas, que fazemos plasticas e gastamos tanto com roupas, sapatos e acessórios. Queremos dominar o salão de festas, queremos ser invejadas e quando olhamos para o espelho, queremos ver a perfeição !

Mas querem saber? Adoro ser assim !

E aí, me veio a seguinte pergunta: Com o que você gasta mais? Roupas, sapatos, bolsas ou acessórios ? Afinal estou montando minha loja online e quero saber o que coloco nela para vender ! Você vai vir conhecer a minha loja, né ?

 

Patrão ou Empregado ?

No post de ontem falei um pouco sobre você ter o perfil de empreendedor ou de empregado ( clique aqui para ler ). Mas você esta pensando: Não seria lindo se todo mundo quisesse ser patrão? O mundo sairia da miséria !

Não, não seria legal. Por um motivo simples: Empresários precisam dos seus funcionários tanto quanto os funcionários precisam de seus patrões. Os dois perfis são necessários à economia.

Imaginemos Ana Claudia. Ela adora fazer doces, quer se tornar a rainha do brigadeiro em sua cidade. Começa a cozinhar em sua casa, aprende tudo que pode sobre, por exemplo, como usar o Facebook para que a cidade toda saiba que seus brigadeiros são os melhores do mundo e começa e faturar tanto, que consegue deixar o emprego e viver do seus doces deliciosos.

Com o tempo, Ana começa a crescer e passa a diversificar seu negocio, passando a produzir agora tortas, bolos, doces diferentes e gourmet. E não tem mais tempo para nada. Sua receita secreta faz muito sucesso, mas Ana precisa de duas ajudantes na cozinha e contrata duas cozinheiras.

Depois de seis meses de treinamento, Ana consegue sair da cozinha e se dedicar ao crescimento do empresa, fazendo cursos, networking, se inscrevendo em feiras de culinária e estudando muito. Sua empresa cresce bastante e Ana contrata mais duas cozinheiras.

Após dois anos, Ana começa finalmente a ver a cor do dinheiro. Compra uma passagem para a França e vai se especializar em confeitaria francesa.

Quando volta, suas cozinheiras estão estranhas.  Pouco produtivas e de cara amarrada.

Apos dois dias, elas resolvem dizer à Ana que estão pedindo demissão, pois resolveram empreender por conta própria e abriram a própria confeitaria com todo conhecimento que adquiriram nesses dois anos.

Ana vai a loucura, mas como nasceu para os negócios, logo contrata mais seis cozinheiras e coloca seu negocio na linha de novo.

E as cozinheiras?
Seu negocio foi à falência em três meses…elas sabiam cozinhar, mas apenas isso. Não adquiriram o conhecimento que Ana teve nesse tempo, não sabiam fazer marketing, não sabiam investir, não sabiam onde desovar os doces que faziam. E principalmente, não tinham tempo e nem queriam aprender a empreender.

Por isso, antes de sair por ai dizendo que vai largar seu emprego e passar a empreender, estude, aprenda como se faz, quais os caminhos a serem seguidos. E se você gosta de ser empregada de alguém, valorize quem lhe da esse emprego, pois com certeza essa pessoa batalhou muito para estar lá.

Um beijo da Ginja !

 

 

À isso se chama Liberdade.

Esta definitivamente foi uma semana bem cansativa. Trabalhei todos os dias das 7 da manhã até a meia noite, o que me deixou com muito pouco tempo e com o corpo bastante cansado. Mas estou estupidamente feliz, pois apesar do cansaço físico, o sabor da realização e do sucesso conseguiu dar à minha alma e à minha mente um prazer sem igual. O que me levou a pensar hoje pela manhã, enquanto me maquiava e fazia minha escova diária ( adoro pensar nessa hora da manhã ): “Ser empresario não é para qualquer um…”

Você com certeza já falou ou ouviu alguém falar a seguinte frase: “Um dia vou ter meu próprio negócio e ninguém vai mandar em mim ! Afinal, os donos da empresa sim levam a vida fácil, enquanto eu trabalho ! Aí eles vão só ver ! ”

Mas será que é assim mesmo que as coisas acontecem ?

Ser uma empresaria, autônoma, dona do próprio nariz, tem suas vantagens e desvantagens, assim como ser um empregado. Vamos falar do básico:

Quando você é um empregado, tem um salario fixo, tem FGTS, direitos trabalhistas, férias, 13°, pode se afastar quando tem um bebê, pode ficar doente e pegar atestado, sai viajar nos feriados e continua ganhando o mesmo.

Mas e o empresario? E o autônomo?

Bom, ser livre tem um preço!

Esqueça as ferias anuais, para começar. Você não tem direitos trabalhistas ( e se tiver empregados vai ter que garantir o deles), não tem FGTS, não adianta levar atestado, pois ninguém vai te pagar a não ser você mesma e se tiver um bebê vai voltar a trabalhar assim que conseguir andar ou sair da cama.

E o que ganho com isso ? Liberdade meu amor. Liberdade. Você ganha mais, o governo não fica usando seu dinheiro sem lhe repassar os rendimentos , você faz os seus horários e ainda de quebra, não tem ninguém te enchendo a cabeça. Mas é preciso se sacrificar para ter isso.

A menos que você seja uma herdeira ou já nasceu rica ou casou com alguém muito rico, você tem que ganhar a vida, seja em um bom emprego ou como dona de algum negocio. Muitas vezes as pessoas se lançam como empreendedoras  para ter uma complementação de renda.

Para deixar de trabalhar para os outros, você precisa de duas coisas: ter o perfil empreendedor e ter dinheiro.

O dinheiro é fundamental para você empreender. Você terá que investir, dependendo da área onde vai atuar, seja em uma lojinha de doces ou em uma mega loja de departamentos ou em uma industria, pois sem dinheiro você não vai sair do lugar. Minha dica? Não saia do seu emprego até conseguir fazer seu negocio girar e lhe dar o retorno financeiro que precisa!

” Mas Ginja, aí eu vou ter que trabalhar em dobro ! ? ” Dupla , tripla jornada ???

Vai.

A verdade é que tanto para um tipo de trabalho quanto para outro, você tem que ter o perfil. O Perfil de empreendedora não consegue trabalhar apenas em um emprego assalariado, a menos que realmente não consiga sair dali por algum motivo. Já o perfil de assalariada não conseguirá empreender sem se ” cansar”. Porem ambos perfis devem existir e isso comentarei em um outro post.

Vou contar um caso:

Eu mandava fazer meus óculos em uma loja de óculos em um shopping da minha cidade. La havia uma gerente espetacular. Sabia tudo de optometria e tinha muita capacidade técnica. Alem disso, como gerente, ficava sempre além do seu horário, todos os dias. Se dedicava tanto, que  acabou sendo promovida para gerente estadual.

Com isso , uma vendedora boa da loja foi promovida a gerente no lugar dela. Quando lhe dei os parabéns pelo sucesso e mesma me falou: Não gostei não, apesar de ganhar o dobro, tenho que trabalhar demais! A gente tem que pensar na saúde, né?

Fiquei meio de queixo caído com a resposta dela. Em pouco tempo pediu demissão e foi trabalhar em algum serviço ” mais fácil”.

Essa é a diferença entre quem nasce para empreender e quem nasce para ser empregado.

Empreender exige dedicação, exige renuncia, exige esforço físico e mental, exige persistência. Ninguém que aos 20 anos de idade esteja pensando em sua ” saúde” se trabalhar um pouco mais, vai conseguir ter sucesso. Empreender significa que você esta apostando em uma ideia, e como um trator, não vai desistir de seus sonhos.

É possível conciliar o resto, as ferias, o descanso e a família ? Sim , é. Mas enquanto você estiver no começo, terá que se doar de corpo e alma ao seu projeto de vida. Isso se chama Liberdade.

Não seja boazinha.

Ângela é uma amiga minha. Uma advogada, bonita, elegante e muito inteligente. Um dia, ela arrumou uma colocação em um grande escritório de advogacia e logo começou a brilhar, pela sua inteligencia e competência.

Logo  ela se destacou dos demais, pois sua capacidade de raciocínio e seu conhecimento eram acima da media. Uma potencial candidata à uma vaga da diretoria que iria surgir algum dia.

Passaram-se alguns anos, e ela, uma moça muito educada e muito solícita, não pensava duas vezes para ajudar os colegas do escritório. Quando haviam grandes reuniões, Ângela preparava tudo, a papelada, o power point, as agendas dos diretores, arrumava a grande mesa da sala com copos limpos, providenciava água gelada, fazia o café e ainda os servia pessoalmente à diretoria do grupo.

Um dia, a grande oportunidade da vida dela surgiu: um dos diretores da empresa iria se mudar para outro país e o grupo iria eleger um dos advogados para o lugar dele. Ela estava eufórica, pois apenas ela e um novato que havia começado ha dois meses eram os únicos que eram sempre chamados à todas as reuniões.

Bem não preciso dizer quem ganhou o cargo na diretoria , não é mesmo?  Sim foi o novato.

Mas onde Ângela errou? Será que ela errou?

Sim amigas Ginjas, ela errou. O seu grande erro foi fazer aquilo que não era sua competência fazer.

Um dos grandes erros que as mulheres comentem é quererem se mostrar boazinhas demais, mostrando serem capazes de fazer qualquer coisa, como pegar café e água ( fazendo a função de copeira), arrumando a mesa ( função da secretaria), fazendo os power points ( trabalho do estagiário). Ela deveria ter se dedicado apenas às suas tarefas como advogada.

O que acontece, é que os diretores da empresa a viram tão eficiente na posição que ocupava, que não tiveram coragem de tira-la daquele cargo que exercia com tanta maestria. Não foi por preconceito ou machismo, foi realmente por acharem que uma funcionaria tão boa naquela posição iria fazer falta naquela posição ! Um pouco mais iriam demitir a copeira , a secretaria e o estagiário, já que ela conseguia fazer tão bem suas tarefas!

Mas e o novato? O novato fez apenas o que tinha sido chamado a fazer, mas com eficiência máxima, não se distraindo ou querendo bancar o bonzinho. E seus relatórios eram tão bons quanto os dela. Como ele era capaz, foi chamado ao cargo.

Aprendam Ginjas, não adianta ser boazinha. Não tente fazer o que não te compete. Fomos criadas para sermos educadas, gentis, ajudarmos sempre os outros, mas no mundo dos negócios você deve fazer aquilo que tem competência para fazer. Se você é gerente em uma loja e começar a vender, logo irão substituir uma das vendedoras por você, já que você faz isso tão bem. E se houver uma promoção, irão promover alguém que não esteja tão ocupada quanto você .

Pense nisso !

 

 

Até que a morte nos separe.

A frase parece trágica, mas é sempre verdadeira. Sim, verdadeira.
Por parte de pai, venho de uma família de portugueses, e minha avó contava que ela havia dado sorte na vida.

Era a mais nova de três irmãs e na aldeia onde moravam em Portuga, era comum os casamentos arranjados entre as famílias. Suas irmãs eram um pouco mais velhas e ela chegou a ver que seus casamentos não tinham sido dos mais felizes. Como a idade de casar (17 anos, para garantir o casamento de uma virgem) já estava chegando, ela ficou apreensiva do que estariam “arranjando para ela”.

Descobriu que iria se casar com um rapaz que ela até achava bem-apessoado, parecia educado, mas, entre parecer e ser, desde aquele tempo sempre houve uma grande distância, de forma que ainda pairava no ar uma certa apreensão.

A apreensão aumentou quando descobriu que seu futuro marido iria se mudar com um primo e sua mulher para o Brasil e ela certamente iria perder o contato com sua família. Graças a Deus tudo deu certo para ela, eles tiveram 8 filhos e a semente foi tão boa, que sempre foi uma família muito unida. Mesmo porque, naquela época o “até que a morte os separe” , era por vezes uma dura e triste realidade para as mulheres.

Hoje os tempos mudaram, as mulheres se emanciparam e podem escolher com quem se casar, quando e por quanto tempo. Sim divórcio é uma realidade, o que nem sempre quer dizer que estas Ginjas estarão livres de perseguições e por vezes até morte, por parte de seus ex maridos.

Algumas de nós ainda escolhemos mal e em enorme maioria deixamos que os homens tomem as rédeas de nossas vidas, nos dizendo o que comer, vestir, acreditar, enfim controlando as situações por mais cotidianas que seja. Para isso só há um remédio, a independência financeira e isto só vem com educação e trabalho.

O que quero dizer com isto é que: muito mais importante do que ter sovaco peludo ou sair para protestar com os seios de fora, é preciso muito estudo e um bom emprego ou muito estudo e muita vontade, para desenvolver uma atividade própria e conquistar a tão sonhada independência financeira.

Isso é fundamental para que possamos escolher quem desejamos ser, quando e onde, e ainda possamos conquistar o homem que queremos, aquele que seja um verdadeiro companheiro. Assim podemos seguir na vida, seja com ou sem ele, baseando-se apenas na nossa vontade, já que tais decisões quem toma, somos nós.

Sem alardes, sem protestos públicos, sem mimimis. Os homens que descubram que ter uma companheira hoje, é ter alguém ao seu lado que pode ajudá-lo a trilhar caminhos de sucesso, pois ela estará preparada, inclusive psicologicamente ( forte e lúcida) para ser uma grande mulher.

Caso contrário: “Hasta la vista,baby” !  Como eu disse, acredito piamente no “ até que a morte nos separe”, mas também tenho plena consciência de que há muitas formas de se morrer. Se quem morre é o sentimento ou a admiração pelo seu companheiro, está mais do que na hora de enterrar este sentimento.

“Mas amiga, olhaaa esse rímel!”

Chamada show essa, não é?

Vou contar do que se trata. Beleza e empreendedorismo. Tudo junto.

Ha 1 mês eu fui à um bazar em São Paulo, o Casa The Bazaar, em Alto de Pinheiros. Só coisa fina, gente muito mas muito rica mesmo, carrões , enfim, um mundo à parte. Lá era possível encontrar tudo que uma mulher deseja, de roupas a acessórios, maquiagens, perfumes e coisas maravilhosas para casa. Um antro da perdição.

Foi onde eu conheci a Bianca. Carioca, mas que mora em São Paulo, bem vestida, linda , simpática à beça. O stand de vendas dela era apenas de maquiagens. Muita maquiagem.

Fiquei impressionada com a habilidade de vendas da Bianca. Ela não parava um só segundo, rodeada de mulheres querendo ver e conhecer a maquiagem que ela vendia.

Ela começava demonstrando uma maquiagem básica para a cliente, que fazia ali mesmo, em pé, passando uma base show, uma sombra, um delineador, um lápis de sobrancelha, um batom e terminava dizendo : Mas amiga, olha só esse rímel !

E vendia , muito. Principalmente o rímel. Eu comprei um pois fiquei apaixonada pelo efeito de cílios postiços que ele tem. E quer saber?  Não sai com água de jeito nenhum. Minha nova amiga diz que dá até para nadar com ele, mas isso ainda não testei. O que sei é que é realmente o que ela disse ser. Não borra, você lava o rosto e ele continua lá! Meio plastificado, quando sai , sai aos pedacinhos e se você esfregar muito ou usar água morna ou com demaquilante. Me convenceu.

Mas e a Bianca?

Bom, a Bianca me contou um pouco da historia dela. Ela é uma Ginja em toda sua concepção. Veio de família pobre, casou, teve filhos e resolveu ter sua própria renda. Com o pouco que tinha de dinheiro comprou produtos, expositores, criou a Bianca Maquiagens. E vende em bazares ha 10 anos. Trabalha quase todos os fins de semana, viaja o Brasil todo, e vai onde houver um bazar acontecendo. Sempre bem vestida, com colares, brincos, pulseiras, cabelo arrumado , super bem maquiada. Aliás, fez alguns cursos de maquiagem, assim pode demonstrar melhor seus produtos.

Hoje ela está tão bem, que praticamente é ela que ganha mais na casa. O marido a acompanha em todas as viagens que ela faz. Tem uma casa boa,  viaja de ferias 1 vez por ano.

O tempo todo a vi monitorando a casa pelo celular. Fala com a empregada, fala com a filha, liga para o filho, pergunta de se comeram, como foram na escola, tudo entre uma cliente e outra.

O ticket médio de venda dela é de R$ 400,00 por venda! E eu vi ela vender. Ela vende muito.

O que aprendi com ela?

Simpatia, educação, conhecimento, são as bases de um bom negocio. Você tem que conhecer o seu produto, tem que fazer cursos para ser a melhor. E esbanjar simpatia e educação para sua cliente, além de estar sempre linda, primorosamente arrumada. Lembre-se, você venda a sua imagem

Ah ! Você quer saber qual é o rímel ? É este aqui !

 

 

Vocação para empreender? SEMPRE !

Olá Ginjas !

Eu tenho uma amiga ginja que há algum tempo, de tanto conversarmos sobre tomar as rédeas de sua própria vida, resolveu colocar as mãos na massa e empreender fazendo o que gosta, ou seja, vender bijuterias diferenciadas. Não estas que as maquinas chinesas cospem mil a cada segundo, mas aquelas diferenciadas, de qualidade.

Como toda boa ginja, ela colabora com o orçamento familiar através de um emprego formal e não pense que é uma executiva de carreira, ela é apenas alguém com um padrão médio, um emprego bom, mas que o dinheiro acaba junto com o final do mês (o que para algumas é um grande feito, pois, o dinheiro acaba antes).

Aperta daqui e dali e surgiram as primeiras peças, bonitas e realmente diferenciadas, que ela levava para o trabalho na empresa em uma bolsinha de mão. As vendas foram crescendo e ela por vezes ia dormir tarde, afinal, ela é casada, tem filhos pequenos e somente depois dos pequenos iram dormir é que ela tinha tempo para montar suas peças.

Um belo dia, ao voltar do trabalho, ela deu uma cochilada no ônibus e acordou assustada ao ver que o ponto onde descia se aproximava.

Rapidamente pegou sua bolsa e deu sinal ao motorista para descer, levantou rapidamente e saiu. Após caminhar alguns passos… sim, ela deixou a bolsinha com as peças e seus alicates de trabalho no ônibus que já virava a esquina.

Não sabia se corria atrás, se gritava, enfim, fez o que muitas de nós fazem nessa situação. Chorou. Chegou em casa, triste e cabisbaixa, sentindo-se derrotada, querendo fugir, desistir, se enterrar num buraco e ficar lá e enfim foi dormir.

No dia seguinte, acordou com um pensamento: Fugir nada, isto é coisa do meu cérebro, que tem como função primordial nos preservar, nos proteger. Daí o nome “instinto de sobrevivência”. Eu sobrevivo a isto, afinal crescer dói, nem tudo são flores, temos que ignorar esse instinto que quer evitar a dor, fazendo exatamente o oposto: se expor, mexer na ferida, explorar onde dói, pois se dói, é porque ainda queremos fazer isso e vou fazer.

À noite, quando chegou em casa após o trabalho, reavaliou o que seria preciso para recomeçar. Pensou em como reorganizar seu tempo e ter boas horas de sono e além de ter tempo para as outras atividades. Planejou-se.

Bola para frente, afinal como sempre conversamos, ela sabe que: Vencedoras não são as que nunca perdem, mas sim as que não desistem de sonhar e realizar.

Hoje ela produz peças em pequenas quantidades, renovando sempre e muito seu estoque, garantindo que as pessoas que compram suas peças terão peças quase exclusivas (afinal somente ela cria e vende) e quem deixa de comprar no dia, as vezes quando resolve comprar tem de levar outra tão linda quanto, mas a primeira escolhida, esta não tem mais para venda.

Agora ela está em ponto de largar seu emprego e viver do que realmente gosta de fazer, graças a sua habilidade em confeccionar belas peças, mas principalmente graças a sua persistência e perseverança.

Em tempo: qualquer dia mostro algumas peças lindas aqui no blog. Beijos a todas.