Arquivo da tag: Empreendedorismo

ESTÁ NO AR !!!!!

Meninas, minha Ginjas queridas, estou tão feliz que estou dando pulinhos no meio da sala!
Finalmente, depois de trancos e barrancos, consegui colocar minha loja on line no ar. Foi difícil, mas como não desisto nunca, está pronta !

È uma lojinha simples ainda, mas invocadinha e pronta para crescer ! Por enquanto tem apenas bijuterias, mas são AS bijus ! Como gosto de exclusividade, só tem uma , as vezes duas peças de cada modelo. E não adianta chorar, porque são únicas mesmo. Não são feitas em massa. Então comprou, a amiga vai morrer de inveja, porque não vai ter repeteco.

São bijus muito finas, em sua maioria banhadas à prata ou ródio.

Passa lá, me dá um retorno se gostou , tá bom?

O link? Clica no banner aqui em baixo ou acesse www.estaçãoginja.com.br.

img_0633.jpg

 

Anúncios

A intuição

Desde criança sempre me achei intuitiva, com uma capacidade além do normal para entender as coisas, pessoas e situações e até mesmo para tomar decisões importantes.

Ainda adolescente, tentei entender esse poder que eu tinha, e passei a ler muito. O que caía em minhas mãos, livros de psicologia, de sociologia, sobre paranormalidade, enfim, tudo para tentar entender aquela sensação estranha que acontecia comigo.

Com o tempo acabei por entender que a intuição é algo que não se explica, ela simplesmente existe. E passei a exercita-la, ouvindo os sinais que sentia e usando-os a meu favor.

Não é fácil distinguir o que é intuição do que é desejo. Muitas vezes desejamos que algo aconteça e confundimos com intuição e outras vezes temos a intuição mas não lhe damos o devido valor, pois acreditamos ser besteira.

As mulheres em geral, mesmo as mais racionais como eu, tem muita intuição. De alguma forma, sabemos. Algo como : sabemos quando estamos sendo traídas, sabemos quando algo vai dar errado ou certo, sabemos se uma pessoa é legal ou não. Para mim, é algo como uma sensação estranha, que percorre minha coluna em forma de descargas elétricas muito sutis. Elas me dão a noção da direção que devo tomar.

Com o exercício diário da intuição, sou capaz hoje de direcionar meus negócios e investir da forma correta , mesmo sem saber nada de investimentos. Sou capaz de fazer o marketing de meus negócios, com pouquíssimo conhecimento sobre o assunto. E sempre fiquei pensando: como faço isso? E como dá certo?

Um dia um livro me caiu nas mãos e essa é a dica de leitura de hoje: O Poder da Intuição.

Trata-se de um livro muito interessante, onde o autor Gerd Gigerenzer , explica como evoluímos nosso conhecimento cognitivo, emocional e social ao longo da história, e de que forma a intuição influencia nossas escolhas, principalmente quando  pensamos racionalmente sobre um determinado assunto e não chegamos a nenhuma conclusão . Segundo o autor, os pressentimentos não podem ser ignorados nesses momentos, pois muitas vezes , apenas baseados na intuição, conseguimos acertar mais do que quem entende muito sobre um determinado assunto. Vale a leitura !

intuição

Patrão ou Empregado ?

No post de ontem falei um pouco sobre você ter o perfil de empreendedor ou de empregado ( clique aqui para ler ). Mas você esta pensando: Não seria lindo se todo mundo quisesse ser patrão? O mundo sairia da miséria !

Não, não seria legal. Por um motivo simples: Empresários precisam dos seus funcionários tanto quanto os funcionários precisam de seus patrões. Os dois perfis são necessários à economia.

Imaginemos Ana Claudia. Ela adora fazer doces, quer se tornar a rainha do brigadeiro em sua cidade. Começa a cozinhar em sua casa, aprende tudo que pode sobre, por exemplo, como usar o Facebook para que a cidade toda saiba que seus brigadeiros são os melhores do mundo e começa e faturar tanto, que consegue deixar o emprego e viver do seus doces deliciosos.

Com o tempo, Ana começa a crescer e passa a diversificar seu negocio, passando a produzir agora tortas, bolos, doces diferentes e gourmet. E não tem mais tempo para nada. Sua receita secreta faz muito sucesso, mas Ana precisa de duas ajudantes na cozinha e contrata duas cozinheiras.

Depois de seis meses de treinamento, Ana consegue sair da cozinha e se dedicar ao crescimento do empresa, fazendo cursos, networking, se inscrevendo em feiras de culinária e estudando muito. Sua empresa cresce bastante e Ana contrata mais duas cozinheiras.

Após dois anos, Ana começa finalmente a ver a cor do dinheiro. Compra uma passagem para a França e vai se especializar em confeitaria francesa.

Quando volta, suas cozinheiras estão estranhas.  Pouco produtivas e de cara amarrada.

Apos dois dias, elas resolvem dizer à Ana que estão pedindo demissão, pois resolveram empreender por conta própria e abriram a própria confeitaria com todo conhecimento que adquiriram nesses dois anos.

Ana vai a loucura, mas como nasceu para os negócios, logo contrata mais seis cozinheiras e coloca seu negocio na linha de novo.

E as cozinheiras?
Seu negocio foi à falência em três meses…elas sabiam cozinhar, mas apenas isso. Não adquiriram o conhecimento que Ana teve nesse tempo, não sabiam fazer marketing, não sabiam investir, não sabiam onde desovar os doces que faziam. E principalmente, não tinham tempo e nem queriam aprender a empreender.

Por isso, antes de sair por ai dizendo que vai largar seu emprego e passar a empreender, estude, aprenda como se faz, quais os caminhos a serem seguidos. E se você gosta de ser empregada de alguém, valorize quem lhe da esse emprego, pois com certeza essa pessoa batalhou muito para estar lá.

Um beijo da Ginja !

 

 

À isso se chama Liberdade.

Esta definitivamente foi uma semana bem cansativa. Trabalhei todos os dias das 7 da manhã até a meia noite, o que me deixou com muito pouco tempo e com o corpo bastante cansado. Mas estou estupidamente feliz, pois apesar do cansaço físico, o sabor da realização e do sucesso conseguiu dar à minha alma e à minha mente um prazer sem igual. O que me levou a pensar hoje pela manhã, enquanto me maquiava e fazia minha escova diária ( adoro pensar nessa hora da manhã ): “Ser empresario não é para qualquer um…”

Você com certeza já falou ou ouviu alguém falar a seguinte frase: “Um dia vou ter meu próprio negócio e ninguém vai mandar em mim ! Afinal, os donos da empresa sim levam a vida fácil, enquanto eu trabalho ! Aí eles vão só ver ! ”

Mas será que é assim mesmo que as coisas acontecem ?

Ser uma empresaria, autônoma, dona do próprio nariz, tem suas vantagens e desvantagens, assim como ser um empregado. Vamos falar do básico:

Quando você é um empregado, tem um salario fixo, tem FGTS, direitos trabalhistas, férias, 13°, pode se afastar quando tem um bebê, pode ficar doente e pegar atestado, sai viajar nos feriados e continua ganhando o mesmo.

Mas e o empresario? E o autônomo?

Bom, ser livre tem um preço!

Esqueça as ferias anuais, para começar. Você não tem direitos trabalhistas ( e se tiver empregados vai ter que garantir o deles), não tem FGTS, não adianta levar atestado, pois ninguém vai te pagar a não ser você mesma e se tiver um bebê vai voltar a trabalhar assim que conseguir andar ou sair da cama.

E o que ganho com isso ? Liberdade meu amor. Liberdade. Você ganha mais, o governo não fica usando seu dinheiro sem lhe repassar os rendimentos , você faz os seus horários e ainda de quebra, não tem ninguém te enchendo a cabeça. Mas é preciso se sacrificar para ter isso.

A menos que você seja uma herdeira ou já nasceu rica ou casou com alguém muito rico, você tem que ganhar a vida, seja em um bom emprego ou como dona de algum negocio. Muitas vezes as pessoas se lançam como empreendedoras  para ter uma complementação de renda.

Para deixar de trabalhar para os outros, você precisa de duas coisas: ter o perfil empreendedor e ter dinheiro.

O dinheiro é fundamental para você empreender. Você terá que investir, dependendo da área onde vai atuar, seja em uma lojinha de doces ou em uma mega loja de departamentos ou em uma industria, pois sem dinheiro você não vai sair do lugar. Minha dica? Não saia do seu emprego até conseguir fazer seu negocio girar e lhe dar o retorno financeiro que precisa!

” Mas Ginja, aí eu vou ter que trabalhar em dobro ! ? ” Dupla , tripla jornada ???

Vai.

A verdade é que tanto para um tipo de trabalho quanto para outro, você tem que ter o perfil. O Perfil de empreendedora não consegue trabalhar apenas em um emprego assalariado, a menos que realmente não consiga sair dali por algum motivo. Já o perfil de assalariada não conseguirá empreender sem se ” cansar”. Porem ambos perfis devem existir e isso comentarei em um outro post.

Vou contar um caso:

Eu mandava fazer meus óculos em uma loja de óculos em um shopping da minha cidade. La havia uma gerente espetacular. Sabia tudo de optometria e tinha muita capacidade técnica. Alem disso, como gerente, ficava sempre além do seu horário, todos os dias. Se dedicava tanto, que  acabou sendo promovida para gerente estadual.

Com isso , uma vendedora boa da loja foi promovida a gerente no lugar dela. Quando lhe dei os parabéns pelo sucesso e mesma me falou: Não gostei não, apesar de ganhar o dobro, tenho que trabalhar demais! A gente tem que pensar na saúde, né?

Fiquei meio de queixo caído com a resposta dela. Em pouco tempo pediu demissão e foi trabalhar em algum serviço ” mais fácil”.

Essa é a diferença entre quem nasce para empreender e quem nasce para ser empregado.

Empreender exige dedicação, exige renuncia, exige esforço físico e mental, exige persistência. Ninguém que aos 20 anos de idade esteja pensando em sua ” saúde” se trabalhar um pouco mais, vai conseguir ter sucesso. Empreender significa que você esta apostando em uma ideia, e como um trator, não vai desistir de seus sonhos.

É possível conciliar o resto, as ferias, o descanso e a família ? Sim , é. Mas enquanto você estiver no começo, terá que se doar de corpo e alma ao seu projeto de vida. Isso se chama Liberdade.

Não seja boazinha.

Ângela é uma amiga minha. Uma advogada, bonita, elegante e muito inteligente. Um dia, ela arrumou uma colocação em um grande escritório de advogacia e logo começou a brilhar, pela sua inteligencia e competência.

Logo  ela se destacou dos demais, pois sua capacidade de raciocínio e seu conhecimento eram acima da media. Uma potencial candidata à uma vaga da diretoria que iria surgir algum dia.

Passaram-se alguns anos, e ela, uma moça muito educada e muito solícita, não pensava duas vezes para ajudar os colegas do escritório. Quando haviam grandes reuniões, Ângela preparava tudo, a papelada, o power point, as agendas dos diretores, arrumava a grande mesa da sala com copos limpos, providenciava água gelada, fazia o café e ainda os servia pessoalmente à diretoria do grupo.

Um dia, a grande oportunidade da vida dela surgiu: um dos diretores da empresa iria se mudar para outro país e o grupo iria eleger um dos advogados para o lugar dele. Ela estava eufórica, pois apenas ela e um novato que havia começado ha dois meses eram os únicos que eram sempre chamados à todas as reuniões.

Bem não preciso dizer quem ganhou o cargo na diretoria , não é mesmo?  Sim foi o novato.

Mas onde Ângela errou? Será que ela errou?

Sim amigas Ginjas, ela errou. O seu grande erro foi fazer aquilo que não era sua competência fazer.

Um dos grandes erros que as mulheres comentem é quererem se mostrar boazinhas demais, mostrando serem capazes de fazer qualquer coisa, como pegar café e água ( fazendo a função de copeira), arrumando a mesa ( função da secretaria), fazendo os power points ( trabalho do estagiário). Ela deveria ter se dedicado apenas às suas tarefas como advogada.

O que acontece, é que os diretores da empresa a viram tão eficiente na posição que ocupava, que não tiveram coragem de tira-la daquele cargo que exercia com tanta maestria. Não foi por preconceito ou machismo, foi realmente por acharem que uma funcionaria tão boa naquela posição iria fazer falta naquela posição ! Um pouco mais iriam demitir a copeira , a secretaria e o estagiário, já que ela conseguia fazer tão bem suas tarefas!

Mas e o novato? O novato fez apenas o que tinha sido chamado a fazer, mas com eficiência máxima, não se distraindo ou querendo bancar o bonzinho. E seus relatórios eram tão bons quanto os dela. Como ele era capaz, foi chamado ao cargo.

Aprendam Ginjas, não adianta ser boazinha. Não tente fazer o que não te compete. Fomos criadas para sermos educadas, gentis, ajudarmos sempre os outros, mas no mundo dos negócios você deve fazer aquilo que tem competência para fazer. Se você é gerente em uma loja e começar a vender, logo irão substituir uma das vendedoras por você, já que você faz isso tão bem. E se houver uma promoção, irão promover alguém que não esteja tão ocupada quanto você .

Pense nisso !

 

 

“Mas amiga, olhaaa esse rímel!”

Chamada show essa, não é?

Vou contar do que se trata. Beleza e empreendedorismo. Tudo junto.

Ha 1 mês eu fui à um bazar em São Paulo, o Casa The Bazaar, em Alto de Pinheiros. Só coisa fina, gente muito mas muito rica mesmo, carrões , enfim, um mundo à parte. Lá era possível encontrar tudo que uma mulher deseja, de roupas a acessórios, maquiagens, perfumes e coisas maravilhosas para casa. Um antro da perdição.

Foi onde eu conheci a Bianca. Carioca, mas que mora em São Paulo, bem vestida, linda , simpática à beça. O stand de vendas dela era apenas de maquiagens. Muita maquiagem.

Fiquei impressionada com a habilidade de vendas da Bianca. Ela não parava um só segundo, rodeada de mulheres querendo ver e conhecer a maquiagem que ela vendia.

Ela começava demonstrando uma maquiagem básica para a cliente, que fazia ali mesmo, em pé, passando uma base show, uma sombra, um delineador, um lápis de sobrancelha, um batom e terminava dizendo : Mas amiga, olha só esse rímel !

E vendia , muito. Principalmente o rímel. Eu comprei um pois fiquei apaixonada pelo efeito de cílios postiços que ele tem. E quer saber?  Não sai com água de jeito nenhum. Minha nova amiga diz que dá até para nadar com ele, mas isso ainda não testei. O que sei é que é realmente o que ela disse ser. Não borra, você lava o rosto e ele continua lá! Meio plastificado, quando sai , sai aos pedacinhos e se você esfregar muito ou usar água morna ou com demaquilante. Me convenceu.

Mas e a Bianca?

Bom, a Bianca me contou um pouco da historia dela. Ela é uma Ginja em toda sua concepção. Veio de família pobre, casou, teve filhos e resolveu ter sua própria renda. Com o pouco que tinha de dinheiro comprou produtos, expositores, criou a Bianca Maquiagens. E vende em bazares ha 10 anos. Trabalha quase todos os fins de semana, viaja o Brasil todo, e vai onde houver um bazar acontecendo. Sempre bem vestida, com colares, brincos, pulseiras, cabelo arrumado , super bem maquiada. Aliás, fez alguns cursos de maquiagem, assim pode demonstrar melhor seus produtos.

Hoje ela está tão bem, que praticamente é ela que ganha mais na casa. O marido a acompanha em todas as viagens que ela faz. Tem uma casa boa,  viaja de ferias 1 vez por ano.

O tempo todo a vi monitorando a casa pelo celular. Fala com a empregada, fala com a filha, liga para o filho, pergunta de se comeram, como foram na escola, tudo entre uma cliente e outra.

O ticket médio de venda dela é de R$ 400,00 por venda! E eu vi ela vender. Ela vende muito.

O que aprendi com ela?

Simpatia, educação, conhecimento, são as bases de um bom negocio. Você tem que conhecer o seu produto, tem que fazer cursos para ser a melhor. E esbanjar simpatia e educação para sua cliente, além de estar sempre linda, primorosamente arrumada. Lembre-se, você venda a sua imagem

Ah ! Você quer saber qual é o rímel ? É este aqui !

 

 

Vocação para empreender? SEMPRE !

Olá Ginjas !

Eu tenho uma amiga ginja que há algum tempo, de tanto conversarmos sobre tomar as rédeas de sua própria vida, resolveu colocar as mãos na massa e empreender fazendo o que gosta, ou seja, vender bijuterias diferenciadas. Não estas que as maquinas chinesas cospem mil a cada segundo, mas aquelas diferenciadas, de qualidade.

Como toda boa ginja, ela colabora com o orçamento familiar através de um emprego formal e não pense que é uma executiva de carreira, ela é apenas alguém com um padrão médio, um emprego bom, mas que o dinheiro acaba junto com o final do mês (o que para algumas é um grande feito, pois, o dinheiro acaba antes).

Aperta daqui e dali e surgiram as primeiras peças, bonitas e realmente diferenciadas, que ela levava para o trabalho na empresa em uma bolsinha de mão. As vendas foram crescendo e ela por vezes ia dormir tarde, afinal, ela é casada, tem filhos pequenos e somente depois dos pequenos iram dormir é que ela tinha tempo para montar suas peças.

Um belo dia, ao voltar do trabalho, ela deu uma cochilada no ônibus e acordou assustada ao ver que o ponto onde descia se aproximava.

Rapidamente pegou sua bolsa e deu sinal ao motorista para descer, levantou rapidamente e saiu. Após caminhar alguns passos… sim, ela deixou a bolsinha com as peças e seus alicates de trabalho no ônibus que já virava a esquina.

Não sabia se corria atrás, se gritava, enfim, fez o que muitas de nós fazem nessa situação. Chorou. Chegou em casa, triste e cabisbaixa, sentindo-se derrotada, querendo fugir, desistir, se enterrar num buraco e ficar lá e enfim foi dormir.

No dia seguinte, acordou com um pensamento: Fugir nada, isto é coisa do meu cérebro, que tem como função primordial nos preservar, nos proteger. Daí o nome “instinto de sobrevivência”. Eu sobrevivo a isto, afinal crescer dói, nem tudo são flores, temos que ignorar esse instinto que quer evitar a dor, fazendo exatamente o oposto: se expor, mexer na ferida, explorar onde dói, pois se dói, é porque ainda queremos fazer isso e vou fazer.

À noite, quando chegou em casa após o trabalho, reavaliou o que seria preciso para recomeçar. Pensou em como reorganizar seu tempo e ter boas horas de sono e além de ter tempo para as outras atividades. Planejou-se.

Bola para frente, afinal como sempre conversamos, ela sabe que: Vencedoras não são as que nunca perdem, mas sim as que não desistem de sonhar e realizar.

Hoje ela produz peças em pequenas quantidades, renovando sempre e muito seu estoque, garantindo que as pessoas que compram suas peças terão peças quase exclusivas (afinal somente ela cria e vende) e quem deixa de comprar no dia, as vezes quando resolve comprar tem de levar outra tão linda quanto, mas a primeira escolhida, esta não tem mais para venda.

Agora ela está em ponto de largar seu emprego e viver do que realmente gosta de fazer, graças a sua habilidade em confeccionar belas peças, mas principalmente graças a sua persistência e perseverança.

Em tempo: qualquer dia mostro algumas peças lindas aqui no blog. Beijos a todas.

Dinheiro não é pecado

Ola Ginjas!

Hoje eu estava conversando com uma conhecida que tem um negócio próprio dela , que não está vendendo nada. Em meia hora de bate papo, sai de lá cansada e me sentindo mal. Sabe porque? Porque ela não parava de reclamar. Era contagiante!

Então resolvi falar um pouco sobre uma dica. Não reclame, nunca, por pior que as coisas estejam. Não reclame de nada!

Uma das coisas que mais vejo as pessoas fazerem é reclamar. Reclamam que estão com dor em tudo, reclamam que não vendem nada, reclamam do governo, reclamam do tempo, reclamam do transito, reclamam que está tudo caro…mas e o que você está definitivamente fazendo para mudar o que tanto te incomoda? Reclamar, definitivamente não é um bom começo.

Vamos começar falando sobre dinheiro. A primeira coisa que temos que fazer é mudar nossa atitude perante o dinheiro.

Passamos nossa vida escutando: ” Dinheiro não traz felicidade”. “Sou pobre mas sou honesta ( ou seja, rico é desonesto)”. “Um pouco com Deus é muito”. “Muito dinheiro faz as pessoas ficarem más”.

Bom, acontece que na Universo, TUDO aquilo que você foca, acontece. O Universo te traz exatamente aquilo que você está querendo.

  • Mas Ginja, eu toda semana desejo ganhar na mega sena e não ganho!

E não vai ganhar nunca, a menos que seu lindo traseiro tenha sido iluminado pela lua. Não é assim que as coisas funcionam. Tudo que pensamos, tem uma espécie de energia. Seja ela boa ou ruim, a energia está ali, fazendo tudo ao seu redor tremer , ao ser disparada. O Universo apenas te entrega de volta a energia que você disparou. Se você realmente acredita que o dinheiro não traz felicidade, que ele é ruim, vai te deixar uma pessoa má, você na verdade não gosta dele. O Universo não vai entrega-lo à você, já que você o despreza. Vai afasta-lo de você , pois é o que realmente você deseja, no fundo da sua alma.

Mas você não tem culpa de ser assim. Você aprendeu a ser assim com seus pais, com seus avós. Mas você pode mudar isso.

Muda sua relação com o dinheiro. Ele não faz as pessoas se tornarem más. O que o dinheiro realmente faz, é potencializar aquilo que você já é. Se você é uma pessoa boa, vai continuar sendo boa e poderá fazer muitas coisas boas. Se for má, vai ficar pior do que já era.

Ter dinheiro não é pecado. Ser rica não é pecado. É bom ! E querer ter dinheiro não vai fazer com que você vá para o inferno. Apenas vai atrair mais dinheiro para você. Mas você tem que gostar dele!

Todo o resto é valido em sua vida. Se você ficar reclamando que dói isso, dói aquilo, que sua vida está uma droga, tudo é difícil, nada de bom acontece, você pode ter certeza que terá mais e mais disso que pediu. Sua vida realmente vai ficar muito ruim.

Tente hoje mentalizar, pensar em como você pode fazer as pazes com o dinheiro. Como você se sente com relação à isso? Culpada? Ou feliz?

Pense nisso. Para te ajudar a mudar sua mente, aqui vai a indicação de um livro muuuuuiito bom. Leia, depois leia de novo e de novo. Treine sua mente.

livro segredos

 

Beleza é Fundamental

Já dizia o Poeta: Me perdoem as feias, mas beleza é fundamental.

Mas o que é isso Ginja!?

Sim minha querida amiga, beleza é fundamental. Pensei neste post hoje , quando meu querido marido estava contando um fato que aconteceu hoje com ele. Nós tínhamos um Onix vermelho que estava com 4 anos. Estava feio, pois moramos em um lugar onde pegamos muita terra para chegar em casa. ( Somos duendes, moramos no meio do mato). Então nosso carro vivia cheio de terra. Alem disso , as portas estavam extremamente riscadas, pois sempre que chegamos na entrada do condomínio, uma cachorrinha que mora na portaria subia na porta do carro com suas patinhas cheias de unhas afiadas para lhe darmos petiscos ( culpa nossa, deixamos ela fazer isso). Mas o carro era show, LTZ, roda de liga leve, top de linha.

Ha 3 semanas trocamos de carro.  Pegamos um LT, de categoria menor. Vermelho carmim.

Hoje ele levou o carro para lavar e o frentista falou para ele: Nossa, que legal, esse ai é top de linha, né? Categoria superior ao outro!

Conclusão: A beleza faz com que as pessoas deem mais valor à você…

Sim Ginja, temos que ser belas. Não para atrair homens, isso não existe. Para os homens basta vestir duas gotas de perfume. Temos que ser atraentes para nós mesmas, para nos valorizarmos, temos que estar apresentáveis ao mundo para que as pessoas nos deem mais valor. E isso não é exclusivo para mulheres não ! Homens bem vestidos e arrumados, barba feita, roupa bem alinhada são tidos como homens de sucesso.

A forma como nos vestimos, falamos, agimos, nos maquiamos pode decisiva para aquele emprego que você esta almejando, para vender aquele produto que esta encalhado, para aquele investidor prestar atenção em você.

E se você não deu a sorte de nascer linda e maravilhosa, use e abuse da tecnologia que existe para nos ajudar! Coloque uma roupa bonita ( sem ser vulgar), sapatos de salto, uma maquiagem bem feita, o cabelo bem cortado e pintado ( não deixe a raiz branca nunca!) e faça a diferença que uma verdadeira Ginja é.

Veja minhas dicas ao longo da semana !

Um beijão !

 

 

 

Mulher empreendedora

Olá Ginjas

Hoje eu estava conversando com uma amiga e ela me disse mais uma vez:

– Queria tanto abrir um negócio de comida!

E mais uma vez eu falei: Tá e porque não começou ainda?

E o que contei a ela, vou contar hoje para vocês: minha mãe passou a vida toda dizendo que queria fazer um negócio de comida e faleceu sem fazer nada disso.

Antigamente era mais difícil, pois não era tão habitual começar um negócio em casa, mas hoje em dia e com internet, não vou dizer que é assim, uma baba, mas quantas histórias de ginjas que começaram na cozinha de sua casa você já viu nestes últimos anos na tv? Ou então aquelas que começaram com costura, bolsas e outras coisas, vendendo inicialmente para amigas e vizinhas?
Então chega de reclamar da vida. Dê um basta nesta falta de dinheiro e vamos arrumar uma renda suplementar à que você já tem, ou então providenciar uma renda inicial, afinal para ser uma Ginja, você tem que ter autonomia. Lembre-se, só decide o que fazer quem tem seu próprio dinheiro, certo?

Pense em uma coisa que você gosta de fazer e faz bem. Coisas como bordados e crochês não rolam, pois dão muito trabalho e comercialmente são pouco valorizados. É o tipo da coisa que todo mundo acha lindo, mas ninguém compra. Talvez uma ou outra pessoa, mas é mais difícil ganhar dinheiro assim.
Pense em algo que tenha um valor agregado, ou seja, que dê para você mostrar seu potencial e te mostre de forma diferente no mercado, assim você não precisa entrar na batalha por preço baixo, isso é a morte. Tem que ser algo diferente, algo que ninguém pensou ainda. Difícil? Se fosse fácil todo mundo faria. Mas ser empreendedora é assim mesmo!

Se escolher ser manicure em sua casa e tiver mais uma em sua rua, seja diferente, não só no atendimento, mas aperfeiçoe seu serviço, tenha um lugar agradável, decorado de forma diferente, pois todo mundo gosta de um lugar legal, cheiroso, limpo e bem arrumado. Pronto já fez a diferença!

Estive em um bazar chique em São Paulo no mês passado e conheci uma ginja de 27 anos que tem um negócio que está faturando muito. Sabe o que ela faz? Brigadeiro. E assumo, comi vários.

Fala sério, é difícil quem não ama brigadeiro e ela faz uns 20 tipos: de paçoca, Ovomaltine, licor de amarula, conhaque, vinho do porto, enfim um mais delicioso que o outro. Ela começou com um carrinho muito bem decorado, limpíssimo e logotipado ( já dizia o poeta: beleza é essencial) e hoje tem 4 carrinhos grandes, todos  imitando carrocinhas antigas. E como ela ganha dinheiro? Ela faz eventos de empresas, bazares, festas de aniversário e tudo mais. Trabalha muito, quase não tem fins de semana livres. Ou seja, ela é uma Empreendedora.

Uma outra ginja que conheci aqui no interior começou customizando camisetas Hering e hoje tem sua marca própria. Ainda é pequena, mas está crescendo continuamente, inclusive nos últimos 3 anos. Vamos combinar que estamos em uma fase difícil da economia, não é mesmo? Mas ela este vencendo!

 

Então pense nisso. Chegou a sua hora e a sua vez, chega de reclamar de falta de dinheiro, de falta de marido compreensivo, de falta disso e daquilo, faça acontecer !

Se quiser conversar mais sobre negócios para fazer, ainda que com pouco ou nenhum dinheiro para grandes montagens, não se reprima, coloque aqui nos comentários o que você sonha e vamos trocar umas ideias ! Vou adorar ajudar você a ficar bem e tranquila e tenho certeza que muitas Ginjas juntas poderão ter várias ideias !